10 presentes personalizados para oferecer neste natal

10 presentes personalizados para oferecer neste natal

Natal, natal, natal…

É inevitável, todos os anos chega esta altura que, apesar de não ser adorada por todos, não deixa de estar presente na nossa mente, especialmente quando, à medida que os anos vão passando, parece que se fala do natal cada vez mais cedo!

É muito bonito e entusiasmante, é verdade, mas com isto vem sempre também aquela ligeira “pressão” quando pensamos sobre o que oferecer, e a quem! Afinal, queremos sempre oferecer algo que tenha algum significado, que seja original, e que seja útil ao mesmo tempo!

Arranjar o presente perfeito para certas pessoas é difícil. Muitas vezes adiamos estes dilemas até darmos por nós no dia 24, no meio do centro comercial, com um nível de arrependimento de 100% por não termos decidido o que comprar mais cedo.

Foi a pensar nestes dilemas que decidi escrever este post. O que fazer quando não fazemos ideia do que comprar para alguém e nada do que vemos parece adequado? É bastante simples, do it yourself!

O que esperar deste artigo:

  • Inspiração, inspiração, e inspiração!

Junta-te a esta comunidade!

Follows

Investir o teu tempo e pensamento num presente é realmente o que torna algo que por si só não seria considerado grande coisa em algo verdadeiramente especial e que tem significado. Para além disto, ao ofereceres um presente personalizado podes ter a certeza de que a pessoa a quem o ofereceste nunca se vai esquecer que foste TU que lho ofereceste!

Aqui vão então alguns exemplos de presentes que podemos fazer sem gastar muito dinheiro ou tempo e que, mesmo assim, marcam a diferença:

1. Moldura personalizada

1. Moldura personalizada

Excelentes para guardar memórias, oferecer uma moldura a alguém é sempre uma boa ideia, e se for personalizada, ainda melhor!

Para isto basta encontrares uma moldura simples de qualquer tamanho, de madeira ou plástico, e decorá-la! Podes pintá-la, desenhar nela, escrever algumas frases ou colar pequenos adereços para lhe dar alguma personalidade, como esta moldura, que está pronta para o inverno! Se quiseres podes até adicionar logo uma fotografia tua e da outra pessoa

2. Bolachas ou biscoitos caseiros

2. Bolachas ou biscoitos caseiros

Se acreditas que tens uns dotes culinários acima da média, ou se apenas gostas de cozinhar, um presente perfeito seriam bolachas ou biscoitos feitos por ti! Para combinar com a época festiva, podes apostar na canela, no chocolate ou no gengibre. E para um toque ainda mais personalizado, coloca-as numa caixa com um tema festivo e adiciona um pequeno laço à volta!

3. Mini vaso para plantas

3. Mini vaso para plantas

Sim, um vaso! Um vaso de barro simples trás consigo um grande potencial! Decora-o como quiseres! Podes seguir os mesmos passos que sugeri para a moldura ou incluir outros!

4. Caixa para bijutaria

4. Caixa para bijutaria

 Outra ideia para um presente personalizado é decorar uma pequena caixa de madeira com fecho e dobradiças que seja grande (ou pequena) o suficiente para guardar bijutaria, ou mesmo outros pequenos objectos! Por vezes é mesmo o que falta para manter aquelas “coisinhas” que vão ficando espalhadas pelo quarto!

5. Caneca como copo para lápis

5. Caneca como copo para lápis

O título fala por si! Encontra uma caneca branca simples e decora-a a teu gosto com verniz (sim, o das unhas) ou faz algumas colagens, de forma a lhe dares um outro uso não tão provável. Vai certamente surpreender!

6. Agenda simples decorada

6. Agenda simples decorada

Uma agenda é feita para estar sempre connosco e não nos deixar esquecer dos nossos compromissos. Uma agenda personalizada por alguém de quem gostamos não só não nos deixa esquecer dos compromissos como ainda nos faz lembrar da pessoa que no-la ofereceu! Esta é uma boa aposta – podes não só decorá-la por fora, mas também deixar pequenos lembretes e mensagens na parte de dentro!

7. Juntar vários presentes

7. Juntar vários presentes

Se o teu forte não é realmente a decoração, podes sempre tornar o teu presente original através de uma outra vertente – ligar vários pequenos presentes! Este é um bom exemplo, onde vários pequenos presentes cabem dentro de um bem fofinho!.

8. Um frasco personalizado doces

8. Um frasco personalizado doces

A pessoa a quem pretendes oferecer algo já parece ter tudo, ou já lhe ofereceste tantos presentes que o plafond de ideias já esgotou? Well, podes sempre seleccionar o seu doce favorito (como smarties, m&m’s, skittles ou gomas), encher um frasco e oferecê-lo! Deixa uma pequena mensagem no interior ou ata um laço na parte de fora. Um presente destes não pode desiludir!

9. Compilação de snacks

9. Compilação de snacks

Melhor do que um frasco com os doces favoritos? Só uma caixa cheia com uma compilação de todos os snacks favoritos de alguém! Este presente mostra não só que conheces muito bem a pessoa mas também que não queres que lhe faltem estes factores de alegria nesta época festiva!

10. Clippit!

10. Clippit!

Agora chega a parte onde a ClippYou entra! Queres realmente surpreender alguém com um presente original e com significado de forma a que mostres o carinho que tens por esse alguém, mas não tens mesmo tempo para o fazer tu próprio? O ClippIt é a resposta! Para concretizares este presente basta inserires os motivos pelos quais uma pessoa é especial para ti e a ClippYou faz o resto! O resultado final? Um frasquinho com todos esses motivos no seu interior, cada um para ser lido a cada dia pela tua pessoa especial!

Concluindo, não precisas de ser um artista para impressionares as pessoas de quem gostas! Basta procurares alguma inspiração e dedicares-te de coração a cada presente que ofereces!

O objetivo é sempre to #stay clipped!

Clippit

Tem um gesto especial e memorável dando corpo aos teus sentimentos!

Gostas quando partilham os teus posts?

Que coincidência, nós também! Partilha! 🙂

Emoções: Como lidar?

Emoções: Como lidar?

Wuuuuus good! Sou eu, a BB

Quem nunca teve aquele colega de trabalho chato, uma mãe a insistir para fazeres a cama a cada 2 minutos, ou uns vizinhos tão barulhentos que só dá vontade de lhes tocar à porta, deixar lá um saco de cocó a arder, e depois fugir?

O que esperar deste artigo:

  • Perceber o conceito de inteligência emocional;
  • Conhecer o papel do factor “emoções” nas relações;
  • Entender a importância de conhecer e saber lidar com as emoções;

Junta-te a esta comunidade!

Follows

Well, confesso que estou familiarizada com estas situações, e estes até são exemplos bem leves, comparando com alguns dos problemas que a vida por vezes nos trás. Mas também existem muitas vezes em que só uma pequena coisinha nos faz sair do corpo e voltar!

Libertam-se tantas emoções desmedidas, que quando estamos de volta ao nosso corpo só desejamos encontrar um buraco para nos enfiar. Muitas destas vezes acabamos por atingir outras pessoas e até estragar algumas relações… Será que podemos evitar isto? E se podemos, como o fazemos sem nos tornar-nos apáticos e indiferentes a tudo que nos possa afetar?

Tantas emoções... por onde começar?

Tantas emoções... por onde começar?

Para começar, nem oito nem oitenta. Grande parte do segredo no controlo das emoções é o equilíbrio: nem a mais, nem a menos, e, apesar de algumas vezes parecer que não sentimos nada, presumo que sejam mais as vezes em que sentimos tanta coisa ao mesmo tempo que nem sabemos para que lado gritar primeiro.

Mas nada temas! Talvez as dicas que se seguem possam ajudar a nossa alma a não deixar o nosso corpo com tanta facilidade. Falo, mais especificamente, sobre como manter a nossa sh*it together em momentos difíceis, especialmente quando temos pessoas de quem gostamos à nossa volta.

Conhece as tuas emoções

Conhece as tuas emoções

Todos nós já reagimos a algo menos bom por impulso, dizemos o que na verdade não queríamos dizer, ficamos até um pouco descontrolados e nem ouvimos bem metade do que por nós foi dito.

O mais recorrente nestas situações é a outra pessoa nos chamar a atenção acerca das nossas atitudes, e nós nem sempre temos isso em consideração, mas devíamos! E porque? Porque enquanto seres humanos dotados de racionalidade, somos capazes de fazer uma auto-avaliação, estando conscientes (maioritariamente) do que fazemos bem ou mal, e, mesmo que isto pareça difícil quando se trata de uma emoção DAQUELAS, é importante que a conheçamos e que avaliemos a intensidade com que a vamos expressar, tendo em conta a nossa envolvente. Na prática trata-se deste pequeno exercício:

  1. *sentir emoção forte a emergir*
  2. *fazer pausa e respirar fundo*
  3. *rapidamente encontrar uma forma mais agradável de expressar*
  4. *expressar*.

Isto vai sem dúvida evitar algumas discussões ou conversas menos agradáveis. Um plus para as nossas relações!

Lida com as emoções

Lida com as emoções

Bem… que remédio temos depois de sentir uma emoção forte, senão lidar com ela? Isto é importante: reconhecer a emoção, saber controlá-la, mas nunca a suprimir, pois isso apenas contribuiria para encher um “saquinho” de emoções, que mais cedo ou mais tarde iria começar a deitar por fora, ou pior, rebentar! And we don’t want that, do we? Portanto, o segredo é dar a importância necessária a cada emoção na altura em que ela surge, de modo a que nenhuma delas se apodere da nossa vida e nos roube o nosso bem-estar ou arruíne algumas das nossas relações.

Reconhece as emoções dos outros

Reconhece as emoções dos outros

Para além de aprendermos a conhecer as nossas emoções e de lidar com elas, grande parte da nossa vida é também lidar com as emoções dos outros, pois, algumas das vezes, os papeis invertem-se e somos também nós a “voz da razão” quando alguém está exageradamente exaltado.

Mas algo ainda mais importante é compreender a outra pessoa em situações difíceis (mesmo quando é também difícil para nós), perceber os seus sentimentos, e pensar em como podemos ser úteis, em como podemos ajudar esse alguém a sentir-se melhor.

Por exemplo, o teu pai teve um mau dia de trabalho e chega a casa a reclamar com tudo o que vê à frente. Ok, a culpa não é tua, mas isso não significa que tenhas de lhe gritar isso de volta! Algo que podes fazer é (não esquecer o respirar fundo) mudar o assunto, falar de algo agradável, ir pondo a mesa para o jantar ao mesmo tempo e realçar o facto de este estar delicioso! Não custa nada e faz imediatamente a diferença!

Lida com as relações

Lida com as relações

Ora bem, é aqui que todas as dicas acima se juntam, ou seja, se conseguires seguir estes conselhos, serás com certeza capaz de te relacionar com os outros a um nível muito mais gratificante (descobre mais sobre como criar boas relações aqui), criando uma empatia que se mostrará recíproca, potencializada pela tua capacidade de lidares com as emoções de quem te rodeia.

Estas capacidades dão-te ainda a oportunidade para despertares emoções positivas nos outros, seja por lhes mostrares a tua personalidade, pela motivação e inspiração que transmites, ou pela forma como deixas qualquer um à vontade ao pé de ti!

E então? Conheces alguém assim? Com quem sentes uma ligação quase automática? I know I do. E o que eu tento fazer?

I try to Stay clipped!

Gostas quando partilham os teus posts?

Que coincidência, nós também! Partilha! 🙂

O amor e as suas “crias”.

O amor e as suas “crias”.

Wuuuuus good! Sou eu, a BB!

Eu sei, eu sei, este é um daqueles temas sobre o qual ninguém sabe bem o que dizer. But you know what? É a base de grande parte das nossas (boas) relações, e sinto que vale a pena dedicar algumas reflexões no que toca à contemplação do seu significado. Que raio é o amor afinal? (Aproveito para deixar uma sugestão de banda sonora).

O que esperar deste artigo:

  • Obter uma definição de amor;
  • Conhecer os vários amores existentes e o que os distingue:
    • Amor platónico;
    • Amor fraternal;
    • Amor incondicional;
    • Amor próprio;
    • Amor entre casais;

Junta-te a esta comunidade!

Follows

Para começar, admito que não tenho um discurso pronto se me colocassem esta questão, é demasiado abstrato, right? No entanto, há sempre um amigo pronto a ajudar quando não temos a certeza acerca de alguma coisa… sim, é o Google. E o que é que eu fiz? Fui ao seu encontro, coloquei-lhe a questão, e eis do que me apercebi:

Amor e ciência?!

Amor e ciência?!

Antes de tudo, poderá ser pertinente saber o que a ciência tem a dizer sobre este fenómeno tão inexplicável. Ora bem, cientificamente falando, o amor é nem mais nem menos do que um fenómeno neurológico, o que significa que nasce e que se desenvolve no nosso cérebro, traduzindo-se numa sensação química do nosso corpo em relação a outro corpo (sim, é possível amar objetos!). São estes processos químicos que desencadeiam os sentimentos por vezes tão contraditórios que temos quando amamos alguém! Lá se vai o dilema cérebro VS coração, afinal, está tudo no cérebro!

Os vários "amores"

Os vários "amores"

Agora que temos algo meio concreto sobre este fenómeno, podemos avançar! Neste processo de (tentar) compreender este sentimento penso que uma forma bastante fácil de o fazer será dividi-lo em tipos de amor, pois existem vários (posso confirmar com toda a certeza que não amo o meu pai da mesma forma que amo o meu namorado).

Amor platónico

Foi definido no século XV pelo filósofo Marsilio Ficino como um tipo de amor que não tem qualquer interesse envolvido, é, digamos, algo puro, que tem em conta o carácter e personalidade das pessoas, não considerando atributos físicos e consistindo num laço de afeto não sexual. É como o que sentimos pelos nossos amigos, if that helps.

Foi definido no século XV pelo filósofo Marsilio Ficino como um tipo de amor que não tem qualquer interesse envolvido, é, digamos, algo puro, que tem em conta o carácter e personalidade das pessoas, não considerando atributos físicos e consistindo num laço de afeto não sexual. É como o que sentimos pelos nossos amigos, if that helps.

Amor platónico

Amor fraternal

É como o amor pelos nossos irmãos (que no meu caso são 0, #sad), quando estamos dispostos a fazer grandes sacrifícios pelo outro, sem desejar nada em troca. Este tipo de relações são, geralmente, muito fortes e afetuosas, que envolvem uma grande dedicação das duas partes.

Amor incondicional

Este é, provavelmente, o mais forte de todos, é o que todos conhecemos como “amor de mãe”, inato e inevitável. É o amor no matter what, não importa se és o anjo ou o diabo, se praticas o bem ou o mal, vão sempre gostar de ti de qualquer das formas, sem “mas”, sem “se’s”, sem hesitações. Se quiseres ler mais acerca das relações com as nossas mães clica aqui!

Este é, provavelmente, o mais forte de todos, é o que todos conhecemos como “amor de mãe”, inato e inevitável. É o amor no matter what, não importa se és o anjo ou o diabo, se praticas o bem ou o mal, vão sempre gostar de ti de qualquer das formas, sem “mas”, sem “se’s”, sem hesitações.

Amor incondicional

Amor próprio

É aquele de que muitos de nós nos esquecemos algumas vezes (mas não devíamos), é o que sentimos por nós próprios, e é tão ou mais importante como qualquer outro amor, e porque? (aqui vai a frase cliché): Porque é impossível amarmos outro alguém na totalidade se não estivermos bem e em paz com nós próprios, se não gostarmos de nós antes de gostarmos dos outros.

Junta-te à comunidade e recebe 4 vídeos com conteúdo exclusivo!

Junta-te à comunidade e recebe 4 vídeos com conteúdo exclusivo!

Amor entre casais

Por fim, aquele que mais confunde o ser humano… o amor que acontece entre casais, o que ora está doce, ora está azedo, o mais sensível de todos. O que algumas vezes parece que pode acabar a qualquer momento, e outras vezes parece que vai durar para sempre… Beautiful, isn’t it? O que importa dizer aqui é que este sim é o mais difícil de explicar, o mais irracional, o mais ridículo, aquele que tanta gente tem medo que chegue, só para não ter de lidar com as suas consequências desconhecidas.

Por fim, aquele que mais confunde o ser humano… o amor que acontece entre casais, o que ora está doce, ora está azedo, o mais sensível de todos. O que algumas vezes parece que pode acabar a qualquer momento, e outras vezes parece que vai durar para sempre… Beautiful, isn’t it? O que importa dizer aqui é que este sim é o mais difícil de explicar, o mais irracional, o mais ridículo, aquele que tanta gente tem medo que chegue, só para não ter de lidar com as suas consequências desconhecidas.

Amor entre casais

Conclusões?

Conclusões?

Bem, depois de tudo isto penso que valha a pena frisar que, sem dúvida, o amor manifesta-se em cada um de formas diferentes, e ai de mim que tente dar uma definição única para algo que apresenta tantas vertentes, seria impossível e haveria sempre alguém que não concordaria, because trust me, apenas quem o sente sabe o que sente e sabe como o sente. E mesmo que, por vezes, pareça demasiado confuso para saber alguma coisa, HÁ ESPERANÇA! Não a percas, porque nada como o tempo para ajudar os nossos cérebros a processar certos sentimentos! No fim de contas, o mais importante é que quando recebas amor de alguém, seja de que forma for, o envies de volta! Pois é assim que se criam e desenvolvem boas e duradouras relações! Espero que tenhas gostado desta pequena “divagação”, e se te tiver ajudado de alguma forma, ainda melhor!

Just don’t forget,

#stay_clipped!

Gostas quando partilham os teus posts?

Que coincidência, nós também! Partilha! 🙂

Pin It on Pinterest

Share This

Gostas quando partilham os teus posts?

Que coincidência, nós também! Partilha! :)